Existem Animais no Mundo Espiritual?

Apesar de livros mediúnicos (livros de André Luiz e Chico Xavier e outros autores há citações), descreverem que há animais no plano Espiritual, não há qualquer embasamento na Doutrina Espírita. Fica evidente que se trata de criação dos Espíritos para diversos fins e não uma realidade como alguns apressadinhos querem impor. Há uma negativa sobre este assunto, feita por alguém que tem autoridade sobre a elaboração de todos os Livros da Codificação, “O ESPÍRITO VERDADE”

  •Livro dos Médiuns, pergunta 283, sobre Evocações de animais, onde o Espírito de Verdade afirma textualmente que “no mundo dos Espíritos não há Espíritos errantes de animais, mas somente Espíritos humanos”.
  Questionado por Allan Kardec sobre o fato de certas pessoas terem evocado animais e recebido respostas, ele responde:
  “Evoque um rochedo e ele responderá”.
  “Há sempre uma multidão de Espíritos prontos a falar sobre tudo” Ainda encontraremos precioso ensinamento sobre o assunto também, no Livro dos Médiuns, questão 236, onde Erasto discorre sobre a suposta mediunidade dos animais e nos dá a clareza dos fatos.
  No Livro dos Espíritos: 598. Após a morte, conserva a alma dos animais a sua individualidade e a consciência de si mesma?
  “Conserva sua individualidade; quanto à consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe permanece em estado latente.”
  599. À alma dos animais é dado escolher a espécie de animal em que encarne?
  “Não, pois que lhe falta livre-arbítrio.”
  600. Sobrevivendo ao corpo em que habitou, a alma do animal vem a achar-se, depois da morte, nem estado de erraticidade, como a do homem?
  “Fica numa espécie de erraticidade, pois que não mais se acha unida ao corpo, mas não é um Espírito errante. O Espírito errante é um ser que pensa e obra por sua livre vontade. De idêntica faculdade não dispõe o dos animais. A consciência de si mesmo é o que constitui o principal atributo do Espírito. O do animal, depois da morte, é classificado pelos Espíritos a quem incumbe essa tarefa e utilizado quase imediatamente. Não lhe é dado tempo de entrar em relação com outras criaturas.”
  Na Revista Espírita, janeiro de 1861, Allan Kardec:
  “Sabe-se que não há Espíritos de animais errantes no mundo invisível e que, consequentemente, não pode haver aparições de animais, salvo o caso em que um Espírito fizesse surgir uma aparência desse gênero, com um objetivo determinado, o que não passaria, sempre, de uma aparência, e não o Espírito real de tal ou qual animal. O fato das aparições é incontestável, mas é preciso guardar-se de vê-las em toda parte e de tomar como tais o jogo de certas imaginações facilmente exaltáveis, ou a visão retrospectiva das imagens estampadas no cérebro.”
  Os Espíritos Superiores deixam claro que o princípio que dá vida ao animal é utilizado quase que imediatamente para novas experiências na matéria, não sendo Espírito errante e não se pondo, obviamente, em relação com outras criaturas.
  Daí se conclui que as obras que divulgaram essas teorias estão em patente contradição com a Doutrina codificada por Allan Kardec.


Grato
Edson Rocha

Janeiro de 2011

15 thoughts on “Existem Animais no Mundo Espiritual?

  1. Comentário de Paulo Jorge Pereira Martins em 31 janeiro 2011 às 9:05

    O Livro dos Espíritos é apenas uma janela no universo imenso das verdades do universo. Tal como a Bíblia também o foi (e continua a ser). A vida material é um castelo de pedra grossa onde tudo o que temos são janelas para espreitar. Não é por vermos uma paisagem de mar numa das janelas, que vamos negar a veracidade sobre histórias de outras janelas que nos mostram montanhas noutros quartos do castelo que ainda não conhecemos.
    A meu ver, ainda somos imensamente leigos nos assuntos do universo e suas verdades. Mas a verdade vai-se construindo aos poucos. O antigo testamento foi um degrau, o novo testamento foi outro, os ensinamentos de buda foram outro degrau numa escadaria paralela, o Livro dos Espíritos foi outro degrau ainda, e todas as outras obras que se foram seguindo foram novos degraus, alguns na mesma outros em escadarias paralelas.
    A interpretação literal e obtusamente rígida da Bíblia foi o que levou a humanidade a becos sem saída muitas vezes. Por isso há que ter cuidado também com a interpretação literal e obtusa de muitos outros livros. A meu ver, tudo o que mais interessa em toda a literatura espiritual e espirita de todos os tempos são os ensinamentos morais acima de tudo, o levantamento do véu e funcionamento do mundo espiritual é um extra que vem por acréscimo conforme crescemos nesses ensinamentos morais.
    Tudo isto para dizer, com todo o respeito e carinho, que discordo em parte deste texto. E é normal haver quem discorde, pois, a doutrina espírita é feita de debates e procura de verdades, não é assim? Não quero dizer que tenho mais ou menos razão por discordar, apenas não vejo assim as coisas do ponto de vista atual da minha consciência das coisas.
    O livro dos espíritos é um conjunto de verdades em estado embrionário, lançadas há quase 2 séculos, e que têm amadurecido aos poucos com a luta de vários outros médiuns.
    Para ser sincero, admiro a obra de Chico Xavier, e não concordo quando tentam comparar obras de diversos médiuns tentando catalogar umas e outras vendo quais as mais puritanas em relação a uma linha de ideias tomadas como base. Para ser sincero, até acho o Chico Xavier mais espírita que o próprio Allan Kardec, pois praticou muito mais caridade que este em termos práticos. Allan Kardec foi mais teórico, e Chico Xavier foi mais prático em termos de caridade (embora eu não goste de fazer este tipo de comparações, o texto em causa obriga-me a usar este tipo de argumentos). Portanto, as obras de Chico Xavier (só por exemplo) nunca poderão ser postas em balança juntamente com os livros lançados por Allan Kardec, dizendo que um é errado ou as comunicações de um são de espíritos que deturparam a verdade e o de outro são a verdade pura e dura. O próprio livro dos Espíritos tem passagens erradas que o tempo veio corrigir e retificar (por exemplo a questão relativa à necessidade de comermos carne para sobreviver, a qual foi afirmativa, mas agora comprova-se que não é verdade, e conheço quem seja vegetariano há mais de 60 anos e tem saúde de ferro e caminha para idades avançadas).
    A verdade é algo que se constrói, não algo que já nos foi confiado para as mãos à partida. Penso que ainda somos todos demasiado ignorantes para defender verdades sobre o que quer que seja sobre o mundo espiritual (no próprio livro dos espíritos é dito que o nosso planeta ainda é pouco evoluído em comparação com outros, estando nós ainda numa fase intermédia entre os selvagens e os espíritos evoluídos, não é verdade?).
    Para ser sincero, e em tom de desabafo, penso que há demasiados teóricos no nosso mundo e demasiado poucos exemplos de quem vai à luta pelo que é bom em verdade. Madre Teresa, Gandhi, Doutor Bezerra de Meneses, Francisco de Assis…etc. penso que todos eles forma mais e melhores espíritas que todos os espíritas que eu conheço, para ser sincero. O mundo tem levantado já demasiadas guerras e problemas por causa da interpretação de livros, ao longo da história de toda a humanidade. A bíblia devia ser uma obra inspiradora de gestos morais e bons, Jesus nunca quês que ninguém perdesse tempo discutindo interpretações literais desta ou daquela passagem. Ele próprio nem escreveu nada, toda a vida dele foi apenas pôr em prática o bem, sorrindo, amando, acarinhando, vivendo em pobreza, em humildade, e simplicidade. Acho inútil comparar obras e definir isto ou aquilo como os limites da verdade. Se fossemos a fazer isso desde o princípio dos tempos, até agora ninguém tinha saído do catolicismo cego duro e obtuso, pois a Bíblia e as interpretações obtusas desta vieram muito antes de qualquer obra moderna.
    Com todo o respeito e carinho deixo um comentário e divagação espontânea sobre o tema. Tenho cães e gatos, e até coelhos e galinhas eu convivi desde pequeno. Uma coisa eu tenho aprendido com o tempo: muitos animais são mais humanos que muitos humanos que conheço. Quem tem animais e se afeiçoa a eles sabe bem do que falo. Tenho a certeza, que o mesmo Deus que foi justo e bom para comigo também foi justo e bom para com todos os outros animais meus irmãos. Faz-me mil vezes mais sentido o caminho levantado em algumas obras como as de Chico Xavier (algumas), onde se defende a evolução de todas as formas de vida em conjunto, do que o capítulo dedicado a este temo no livro dos espíritos (sinceramente, adoro o livro dos espíritos e participo mediúnicamente em trabalhos, mas este capítulo sempre me pareceu incompleto e pouco cuidado em alguns pontos). Penso que Deus seria muito injusto se não desse a mesma atenção que dá aos homens também a todos os outros animais e seres, da mosca à planta. Não acredito num Deus assim e revolto-me contra essa ideia pois não tem lógica nenhuma, não somos mais nem menos que qualquer outro animal, somos todos embriões de vida neste universo enorme e lindo de Deus. Acredito que todos os livros mediúnicos que se seguiram foram uma continuação do que começou com Allan Kardec, e o completaram aos poucos, nós ainda somos muito imperfeitos, o nosso planeta ainda é pouco evoluído, por isso tudo aquilo que sabemos ou pensamos que sabemos ainda é muito questionável e no fundo ninguém sabe nada sobre as verdades universais, não se esqueçam disso!
    O que importa mesmo é sermos todos irmãos e seguirmos as leis morais no sentido de um bem cada vez mais útil em cada um dos nossos gestos. Ainda sou tão inútil em tantas ações da minha vida, ainda são tão errados na forma como lido com tanta coisa, ainda sou tão encalhado na matéria e na ignorância, só sei que nada sei. Por favor não teçam comentários sobre as ligações dos animais com o mundo espiritual tratando-os como seres inanimados e bastardos de Deus, pois tenho a certeza que Deus não acha o mesmo e os vê como iguais a nós. Se os livros de Chico Xavier nos afiguram mais lógicos e completos sobre este tema, porque teimar em deitar abaixo a credibilidade deste admirável médium face a um livro que foi escrito há quase 2 séculos sem a pretensão de ser uma Bíblia, mas sim um estudo dos ensinamentos desta?

  2. Comentário de Claudio Tollin em 31 janeiro 2011 às 17:13

    Evidentemente nossa capacidade de raciocinar deve ser colocada em prática.
    Na pergunta 607 do LE fica muito claro que os Espíritos cumprem a primeira fase de seu desenvolvimento em uma série de existências que precedem o período que chamamos de Humanidade.
    Em conjunto com a pergunta 604 onde Kardec questiona se Deus teria criado seres intelectuais perpetuamente voltados à inferioridade, e se isto não estaria em contradição com a unidade de vistas e de progresso que se observa em Suas obras, os espíritos respondem que tudo se encadeia na natureza por laços que não podemos ainda entender.
    Ora, o princípio inteligente então faz sua evolução nos reinos ditos inferiores até se individualizar.
    Também é dito que esta transição é assistida por outros Espíritos encarregados dessa tarefa.
    Pergunta-se: Onde estes espíritos encarregados dessa tarefa fizeram, no início, a sua transição? Por quem foram auxiliados?
    Resposta: Só Deus o sabe.
    Ora, se não temos ainda os meios necessários para respondermos a estas questões pois nos falta “um sentido”, fico a imaginar como se acredita que há respostas definitivas na Doutrina Espírita.
    É evidente que os Espíritos que auxiliaram na Codificação não puderam responder a tudo em função do nosso estágio de desenvolvimento moral e espiritual.
    Então ficar dizendo isto ou aquilo como se fossem “dogmas” na Codificação é, a meu ver, completo absurdo e fruto do “orgulho” de puristas que se acham sabedores das verdades universais.

    Abraço
    Claudio

  3. Comentário de Edson Rocha em 31 janeiro 2011 às 21:21

    Meus Irmãos, a questão de ter animais no plano Espiritual é de uma simplicidade gritante, não há o que questionar! Estudando a Doutrina Espírita de forma abrangente, ou seja, todos os Livros da Codificação. O que vemos hoje? É a falta de controle do que lemos e utilizamos livros mediúnicos em detrimento aos de Kardec.
    O Dr. Ary Lex, ex-diretor do Hospital das Clinicas em São Paulo, lá pelos anos sessenta, quando questionou Chico Xavier a respeito de algumas alegações apresentadas pelo Espírito André Luiz em seus livros, obteve esta resposta de André Luiz: O que for contra Allan Kardec deve-se jogar no LIXO!
    Isso mostra que não devemos trocar os Livros da Doutrina Espírita por livros mediúnicos seja de que Espírito for! Não é à toa, o que vende mais no Brasil são justamente estes livros, que alguns dizem que ajuda na divulgação do Espiritismo, porém, vejo que prejudica mais.
    Pelas respostas no Blog percebemos que não houve, por alguns, analisar que, os Espíritos responsáveis pela Codificação não iriam deixar de dizer (na realidade disse o contrário) em relação aos animais no plano Espiritual, isto é fato! Imaginar que naquela época os homens não estavam preparados para saber deste assunto é subestimar a nossa inteligência!
    Agora vamos aos fatos: o plano Espiritual é uma criação mental, alguns Espíritos desencarnados precisam destas coisas (alimentos, animais de estimação, etc.) para refazerem-se e estarem aptos a ver à realidade e assim os Espíritos auxiliares poderá num espaço de tempo, favorecer estas criações mentais para satisfazer as crianças… até elas acordarem!
    Aos que acham que Kardec e o Espirito Verdade (que não é Jesus), estão ultrapassados, devem verificar em quem devem depositar confiança cega (não devemos acreditar só por que foram os Espíritos tal e qual disseram! Nunca!).
    Hoje é comum vemos entre os Espíritas alguns Irmãos que acreditam em Planeta chupão ou Planeta higienizador, Lemúria, Atlântida, 2012, duendes, fadas… E isso graças aos livros mediúnicos! Além daqueles que defendem e assimilam de forma total os escritos de Emmanuel, Ramatis, André Luiz, Joana de Angelis, etc. além de idolatrarem médiuns como Robson Pinheiro, Zibia Gaspareto e seu filho, Oswaldo Posidoro, Hercilio Maes Pietro Ubalde, etc.
    Infelizmente não temos mais espíritas como José Herculano Pires, que defendeu à Doutrina como poucos, dos misticismos e adulterações, que proliferam no movimento no Brasil, com as obras de Allan Kardec.
    Para os Irmãos que acreditam em tudo mais moderno, mais atual e mais azul, gostaria de deixar algumas informações para serem digeridas.
    Hoje as geociências estão eficientes e há conhecimentos simples que invalida a existência da Atlântida, isto é fato! Só por que Emmanuel disse, ou melhor, endossou o que Ramatis escreveu, não quer dizer que é fato, quem conhece um pouco de teosofia desenvolvida pela Madame Blavatsky sabe, que todo o texto está em concordância com aquele. Assim como os textos base do livro de Edgard Armond “Exilados de Capela”.
    Sobre ramatis achei interessante esta frase enviada por uma Irmã deste Blog: “Ainda que muitos acreditem que exista no Espírito de nosso consagrado Mestre Ramatis, nuances de exagero nos seus assuntos de escol, estamos nós aqui para, em nome da verdade, traçarmos o perfil mais atualizado deste grande precursor de movimentos de importância no planeta”. Joanna de Ângelis (interessante esse socorro ao ramatis, realmente ele está precisando!).
    No livro Emmanuel – Dissertações Mediúnicas sobre Importantes Questões que Preocupam a Humanidade. – 1937-38. – Emmanuel chama a atenção para o fato de que doenças infecciosas como a lepra, a tuberculose, e outras permanecerem tão intratáveis quanto a 200 anos antes; de que os investigadores puderam vislumbrar o mundo microbiano sem saber eliminá-lo por sondarem os fenômenos sem lhes auscultarem as causas divinas; e de que a saúde humana nunca será o produto de comprimidos… – p.125. Comentário: Esta curiosa afirmação foi feita justamente às vésperas da implantação do uso dos antibióticos no tratamento de diversas doenças infecciosas, tuberculose inclusive, o que sem dúvida revolucionou a saúde humana no século XX.
    Obs. Em 1940, Sir Howard Fleorey e Ernst Chain, da Universidade de Oxford, retomaram as pesquisas de Fleming e conseguiram produzir penicilina com fins terapêuticos em escala industrial, inaugurando uma nova era para a medicina denominada a era dos antibióticos.
    No livro “A Caminho da Luz – 1938” – Emmanuel diz: “Na grande oficina surge, então, a diferenciação da matéria ponderável, dando origem ao hidrogênio.” – p.20. Comentário: se realmente é isso o que é pretendido com essa frase, situando criações de átomos de hidrogênio após a consolidação da Terra e da Lua, me parece que há erro aí, pois o hidrogênio é elemento preexistente mesmo aos sistemas estelares mais primitivos, isso sem dizer que hoje é comprovado que o Universo é formado de 97% de hidrogênio e a Codificação deixa claro e a ciência também, que o elemento mais simples dá origem ao mais complexo! Isso é Allan Kardec!
    No Livro Emmanuel-Emmanuel afirma ser estudioso da evolução das espécies. – p.95. Comentário: esta afirmação aumenta consideravelmente suas responsabilidades com relação a quaisquer erros seus em comentários sobre tais matérias.
    Emmanuel afirma que os primeiros seres vivos eram similares às amebas e demais unicelulares, e que tais seres encontravam nos oceanos tépidos de então o oxigênio necessário ao entretenimento da vida, oxigênio esse que em terra firme só viria a ser encontrado após o advento das grandes vegetações. p.26/27. Comentário: uma posição que parece predominante na ciência atualmente é a de situar a solidificação da crosta planetária por volta de 3,8 bilhões de anos atrás, e o aparecimento das primeiras células há 3,5 bilhões de anos. Mas não seriam seres como amebas, pois estas têm núcleo. Seriam bactérias, seres sem núcleo e bem mais simples. Seres nucleados só viriam a aparecer há 1,8 bilhões de anos atrás ( 1,7 bilhões de anos após a origem da vida em nosso planeta!). Ao contrário do que afirma Emmanuel, o oxigênio não só era desnecessário à vida como era também letal para os seres de então. Só muito mais tarde as células desenvolveram mecanismos bioquímicos para lidar com o altíssimo poder destrutivo do oxigênio. Igualmente, não foram as vegetações de terra firme que produziram o oxigênio atmosférico que possuímos atualmente, mas sim bactérias fotossintetizantes, que praticamente oxidaram a superfície do planeta inteiro. Há 1,8 bilhões de anos os níveis de oxigênio já teriam subido de praticamente 0 % para 3 % (atualmente são 21 %, aproximadamente).
    No livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho – 1938 – A Guerra do Paraguai teria sido punição determinada ao Brasil pelo mundo espiritual, devido às interferências (invasões) indevidas que o Brasil fizera na Argentina e Uruguai de 1849 a 1852, contra os governantes Rosas e Oribe. O estopim da Guerra do Paraguai teria sido a invasão do Brasil ao Uruguai em 1865. p-197/198. Comentário: o objetivo dos líderes espirituais do planeta era punir o Brasil, mas historiadores afirmam que o Brasil acabou se beneficiando da empreitada, e o Paraguai foi reduzido a quase cinzas.
    No livro de André Luiz – Evolução em Dois Mundos – 1958
    Descreve a formação dos planetas como agrupamento de átomos que sob forças eletromagnéticas espiritualmente dirigidas têm área espacial intra-atômica reduzida formando os núcleos adensados que darão origem aos planetas. Os planetas teriam vida até que implodiriam sob a pressão dos átomos, e depois explodiriam, em processo de reciclagem. p-21/22. Uberaba . Comentário: descrição incoerente com o atualmente postulado pela ciência.
    Fala que primeiro vieram os vírus (…depois as bactérias e plantas…). p-32. Uberaba . Comentário: incoerente com as descrições em livros anteriores de André Luiz ou de Emmanuel, onde os primeiros seres vivos teriam sido similares às amebas.
    Afirma que os vírus e bactérias seriam os primeiros seres, e que a origem da vida se deu há 1,5 bilhão de anos. p-53. Pedro Leopoldo. Comentário: afirmação similar à comentada pouco mais acima. Acredita-se hoje em dia que a vida teria se originado na terra há 3,5 bilhões de anos, através dos relógios nucleares.
    Como podem perceber, em apenas algumas frases é possível ver que devemos tomar o devido cuidado em aceitar tudo que os Espíritos dizem. José Herculano Pires, diz-nos que “O Espiritismo é uma doutrina que existe nos livros e precisa ser estudada”. Assim, não é conveniente que corramos atrás dos fenômenos mediúnicos, mas, sim, que debrucemos o nosso pensamento sobre os livros da codificação, no sentido de ir lentamente sedimentando os ensinamentos que Allan Kardec construiu através da pesquisa científica dos fenômenos espirituais.
    Não devemos crer e sim saber!

    Grato
    Edson Rocha

    1. Comentário de Acrisio Braz de Queiroz em 18 abril 2011 às 10:10

      Caro amigo EDSON ROCHA, tudo é uma questão de ótica, no livro dos médiuns no capitulo evocação dos animais, um espirito que respondeu a questão diz:’ NÃO TEM ANIMAIS NA ERRATICIDADE” já no livro dos espíritos por certo foi outro espirito que respondeu, a questão, na pergunta 597 a 600, para qualquer leitor atento já fala que o animal tem alma e fica numa espécie de erraticidade, e é reutilizado quase que imediatamente, pergunto você tem ideia desse “quase imediatamente” na cronologia espiritual? Segunda pergunta em qual dos livros vou acreditar que está certo a tal questão, o livro dos médiuns ou o livro dos espíritos? Se os animais reencarnam para voltar a um corpo ele tem de estar fora da matéria, e aí me responda, sob seu ponto de vista onde eles ficam?

      Abraço do amigo Braz

    2. Comentário de Acrisio Braz de Queiroz em 18 abril 2011 às 11:53

      Caro amigo EDSON ROCHA, deixo duas perguntas: no livro dos médiuns na questão evocações dos animais um espirito foi ´categórico em dizer— não existe animais no além, já no livro dos espíritos nas questões 597 até a 600 fala que tem e que fica numa espécie de erraticidade, em qual dos livros vou acreditar sobre essa questão o LM ou o LE? Fala que eles são reutilizados em uma nova reencarnação quase que imediatamente, pergunto, você tem ideia neste ‘quase imediatamente” na cronologia espiritual?

      1. Comentário de Edson Rocha em 18 abril 2011 às 18:27

        Irmão Acrisio Braz de Queiroz.
        Vou explicar-lhe que não há discordância entre os textos em questão.
        Primeiramente o Espirito que disse que “NÃO HÁ ANIMAIS NO PLANO ESPIRITUAL” foi o Espirito da Verdade o responsável pela elaboração no plano espiritual da Codificação.
        Quanto às questões 597 e 600 do Livro dos Espíritos da FEB, que abaixo está colada;

        597. Pois que os animais possuem uma inteligência que lhes faculta certa liberdade de ação, haverá neles algum princípio independente da matéria?
        “Há e que sobrevive ao corpo. ”
        a) — Será esse princípio uma alma semelhante à do homem?
        “É também uma alma, se quiserdes, dependendo isto do sentido que se der a esta palavra. É, porém, inferior à do homem. Há entre a alma dos animais e a da homem distância equivalente à que medeia entre a alma do homem e Deus. ”

        598. Após a morte, conserva a alma dos animais a sua individualidade e a consciência de si mesma?
        “Conserva sua individualidade; quanto à consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe permanece em estado latente. ”

        599. À alma dos animais é dado escolher a espécie de animal em que encarne?
        “Não, pois que lhe falta livre-arbítrio. ”

        600. Sobrevivendo ao corpo em que habitou, a alma do animal vem a achar-se, depois da morte, num estado de erraticidade, como a do homem?
        “Fica numa espécie de erraticidade, pois que não mais se acha unida ao corpo, mas não é um Espírito errante. O Espírito errante é um ser que pensa e obra por sua livre vontade. De idêntica faculdade não dispõe o dos animais. A consciência de si mesmo é o que constitui o principal atributo do Espírito. O do animal, depois da morte, é classificado pelos Espíritos a quem incumbe essa tarefa e utilizado quase imediatamente. Não lhe é dado tempo de entrar em relação com outras criaturas. ”

        Meu Irmão, não há dúvidas! “É também uma alma, se quiserdes, dependendo isto do sentido que se der a esta palavra. ” Isso foi dito para dar uma ideia e não uma premissa Doutrinária. No conceito de alma só o Homem a tem! O animal tem um princípio inteligente que se individualiza em suas experiências encarnado.
        “Fica numa espécie de erraticidade, pois que não mais se acha unida ao corpo, mas não é um Espírito errante. ” Nos mostra que é um tipo e não se iguala como Espírito errante.
        Em relação ao texto “quase imediatamente” deve ser pelo fato de não ter a obrigatoriedade dos Espíritos co-criadores e responsáveis pela evolução destes animais, usá-los imediatamente e sim quando for necessário. Isso não quer dizer que estes animais tenham contatos no plano Espiritual e sejam utilizados como é descrito em alguns livros mediúnicos, seja de Yvone, Chico, Divaldo, etc.

        NÃO ESQUEÇA QUALQUER PRETENSÃO DE FAZER OBRAS COMPLEMENTARES À DOUTRINA, DEVE-SE VERIFICAR SE NÃO HÁ CONTRADIÇÃO COM À CODIFICAÇÃO! TODA COMPLEMENTAÇÃO NÃO PODE SER CONTRADITÓRIA COM A BASE!

        Aproveitando esta conversa proponho aos Irmãos analisar no Texto “Os Três Reinos” do Livros dos Espíritos na questão 601 em diante e depois veja o comentário de Allan Kardec sobre o princípio inteligente.
        “As diferentes espécies de animais não procedem intelectualmente umas das outras, mediante progressão. Assim, o espírito da ostra não se torna sucessivamente o do peixe, do pássaro, do quadrúpede e do quadrúmano. Cada espécie constitui, física e moralmente, um tipo absoluto, cada um de cujos indivíduos haure na fonte universal a quantidade do princípio inteligente que lhe seja necessário, de acordo com a perfeição de seus órgãos com o trabalho que tenha de executar nos fenômenos da Natureza, quantidade que ele, por sua morte, restitui ao reservatório donde a tirou. ”
        Dito isto, há algum lugar no planeta em que os Espíritos co-criadores guarda os princípios inteligentes que têm experiências nas diversas encarnações como animais. E que não são individualidade do princípio inteligente e num futuro estes princípios inteligentes serão aglutinados e formarão os homens primitivos… E isso quer dizer que nós Homens não

        Pense nisso…

        1. Comentário de Acrisio Braz de Queiroz em 18 abril 2011 às 19:39

          Mas caro EDSON
          O princípio vital dos animais no qual pertencemos volta ao todo isso é indiscutível, mas veja só sua individualidade conserva após a morte

          598. Após a morte, conserva a alma dos animais a sua individualidade e a consciência de si mesma?
          “Conserva sua individualidade; quanto à consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe permanece em estado latente. ”

          O caso é, animais tem alma? Ficou patente que tem se tem no intervalo de suas reencarnações eles tem de ficar em algum lugar fora da matéria, dê o nome que quiser, erraticidade extrafísica mundo incorpóreo astral além físico
          Fica difícil chegarmos a uma conclusão, agora se você disser que animais não tem alma como princípio de sua individualidade tenho de silenciar e te dar razão no momento.

          1. Comentário de Edson Rocha em 18 abril 2011 às 21:43

            Irmão Acrisio Braz é complicado dar resultados para indagações que ficaram no ar por força da não nomenclatura correta para as ideias. Quando os Espíritos da Codificação disseram ““É também uma alma, se quiserdes, dependendo isto do sentido que se der a esta palavra. ”
            Podemos ponderar que não é uma alma e sim algo que está destinado no futuro ser uma, quando for humano primitivo.
            Tenho em meu pensamento, com tudo que já estudei e tento dar clareza nas ideias que podem estar erradas e não as tomo como certezas e sim como prováveis até outros estudos chegarem e derrubar estes pensamentos. Vejamos:
            Os animais mais simples têm pouco princípio espiritual.
            Os animais mais complexos (mamíferos) têm mais princípio espiritual. E princípio inteligente.
            O homem tem bastante princípio espiritual e inteligência e é o único que podemos afirmar que tem alma.
            No plano espiritual não pode haver animais e dizem que têm isso ocorre por criação mental dos Espíritos.
            Desta forma o homem tem em seu corpo físico todas as experiências de toda a evolução animal na terra e tem um Espirito criado por DEUS simples e ignorante que passa a desenvolver o seu Livre Arbítrio.

            Grato
            Edson Rocha

  4. Comentário de Therezinha Dias em 12 abril 2011 às 23:42

    Estou plenamente de acordo com os meus irmãos que opinaram a favor dos animaizinhos.
    Quem diz que no mundo espiritual não existe animais quer se salvar da culpa de ter maltratado os pobres animais. Acredito piamente nas almas dos animais, diferente da nossa, mais que existe, EXISTE.
    Por favor tenha dó.

    1. Comentário de Edson Rocha em 13 abril 2011 às 18:24

      Querida Irmã Therezinha verifique estas informações nos livros da codificação em que os Espíritos Verdadeiramente Superiores nos trazem luzes para esta indagação, veja que quem disse isso foi O ESPÍRITO DA VERDADE. Procure saber quem é e sua extrema importância na Doutrina. André Luiz e outros que falam de Animais no Plano Espiritual não conhecem o Espiritismo Codificado por Allan Kardec.
      Quanto às obras de complementação da Doutrina, como querem alguns! Devo dizer que nenhuma complementação poderá ser contrária à base! Como diria Sérgio Aleixo, com muita propriedade.
      Agora, se a Irmã prefere André Luiz em lugar do Espírito da Verdade! É uma escolha sua, porém, não poderá que é Espírita e sim Espiritualista, pois, André Luiz é Espiritualista e não Espírita!
      A resposta à sua pergunta está no Livro dos Médiuns, pergunta 283, sobre Evocações de animais, onde o Espírito de Verdade afirma textualmente que “no mundo dos Espíritos não há Espíritos errantes de animais, mas somente Espíritos humanos”. Questionado por Allan Kardec sobre o fato de certas pessoas terem evocado animais e recebido respostas, ele responde: “Evoque um rochedo e ele responderá. Há sempre uma multidão de Espíritos prontos a falar sobre tudo.” Ainda encontrará precioso ensinamento sobre o assunto também no Livro dos Médiuns, questão 236, onde Erasto discorre sobre a suposta mediunidade dos animais e nos dá a clareza dos fatos. Busque também no Livro dos Espíritos, questão 600, onde os Espíritos Superiores deixam claro que o princípio que dá vida ao animal é utilizado quase que imediatamente para novas experiências na matéria, não sendo Espírito errante e não se pondo, obviamente, em relação com outras criaturas. Daí se conclui que as obras que divulgaram essas teorias estão em patente contradição com a Doutrina codificada por Allan Kardec.

      Revista Espírita, janeiro de 1861, Allan Kardec:
      “Sabe-se que não há Espíritos de animais errantes no mundo invisível e que, consequentemente, não pode haver aparições de animais, salvo o caso em que um Espírito fizesse surgir uma aparência desse gênero, com um objetivo determinado, o que não passaria, sempre, de uma aparência, e não o Espírito real de tal ou qual animal. O fato das aparições é incontestável, mas é preciso guardar-se de vê-las em toda parte e de tomar como tais o jogo de certas imaginações facilmente exaltáveis, ou a visão retrospectiva das imagens estampadas no cérebro. ”

      Grato
      Edson Rocha

      1. Comentário de Acrisio Braz de Queiroz em 19 abril 2011 às 14:29

        CARO ROCHA, foi muito importante seu último comentário, Kardec perguntou os animais raciocina? Os espíritos respondera que sim tem rudimento de raciocínio de forma fragmentada desculpe me relatar com minhas palavras sem mencionar número da questão do LE agora, porém graças a DEUS não tenho essa dúvida mais porque me emancipo consciente, emancipar consciente é sair do corpo e ver seu corpo estando fora dele, no meu caso vejo os animais no além e tem um detalhe engraçado eles lá não teme a gente, mas deixa pra lá essas provas só serve pra mim, agora eu querer desmentir uma coisa só porque não posso ver é quase uma ingenuidade da minha parte. OBRIGADO ROCHA pela atenção e a troca de ideia.

        1. Comentário de Edson Rocha em 20 abril 2011 às 22:55

          Irmão Acrísio eles não têm medo por ser uma criação de alguns Espíritos e o fazem dentro do que espera de um animal. Sendo médium consciente poderia averiguar e obter informações sobre este assunto, através de contatos com Espíritos esclarecedores que possa encontrar nestas visitas.

          Grato
          Edson Rocha

          1. Comentário de Acrisio Braz de Queiroz em 21 abril 2011 às 0:38

            EDSON ROCHA já lidei também com espíritos inferiores na chamada licantropia em formas bem bizarras, mas quando é assim sempre transparece que é espíritos em formas monstruosa nuca a gente se equivoca por estarmos em níveis mental diferente os espíritos que plasma essas formas sempre está em zonas inferiores que talvez ainda ignoras já os animais ficam um pouco mais elevados na crosta terrena. Se todos espíritos que trazem essas notícias do mundo espiritual estiverem equivocados temos de posicionar contra princípios doutrinários no livro dos espíritos na questão que trata de percepção dos espíritos a resposta foi que a visão espiritual é mais depurada, e temos de firmar que os intelectuais que passaram na terra como espirita ao desencarnar ficam míope prefiro não chegar a essa conclusão

            Abraço do amigo Braz

          2. Comentário de Alexandre Pinto em 21 janeiro 2013 às 10:23

            Pois é meu caro Edson, quem quiser aprender Doutrina Espírita deve ir na fonte do Espiritismo que são as Obras de Allan Kardec. Onde se aprende Catolicismo? Na Umbanda? Não, se aprende na Igreja, nos seus fundamentos, o mesmo se dá com o Espiritismo, quer aprendê-lo, vá na fonte que é Kardec, pois ali está a base firme que fundamenta a Doutrina. Lá os médiuns que veem espíritos de cachorro vão concluir racionalmente que isso é uma imagem, se foi um amigo que vivia com seu cachorro assim ele aparece para que ele, o médium, perceba com quem está falando, agora se o espírito disser que o cão é real meu amigo, pode desconfiar da intenção do desencarnado ou ele está enganado ou quer mistificar. Kardec sempre pediu que se passasse as comunicações espirituais ao crivo da mais rigorosa lógica. Pois bem! Tem médiuns que batem cabeça (minha irmã Candomblecista fala assim) para tudo que os espíritos dizem e depois querem dizer que Kardec está ultrapassado, que André trouxe novidades que completam a Doutrina e esse blábláblá todo. Caro Edson a verdade é simples: Não querem enxergar, não estudam o Espiritismo, se apegam a bondade do Chico para fazer valer as bobagens que dizem André, Emmanuel e Neio Lúcio, não fazem como Paulo, que não recusou o auxílio de Gamaliel para lhe tirar dos olhos as “escamas” para que pudesse ver claro, no caso deles Gamaliel é a Doutrina Espírita que o próprio Jesus lhes enviou, como a Paulo, mas infelizmente eles recusaram. Abraços.

  5. Comentário de Edson Rocha em 21 abril 2011 às 18:06

    Irmão Acrísio não me leve a mal, mas, acreditei que pelo fato de ter consciência e poder trocar informações com outros Espíritos, poderia obter alguma informação objetiva sobre esta questão! Só isso!
    Sendo Espírita convicto, não posso aceitar algo contrário à codificação e assim, prefiro, por enquanto, até ter alguma informação mais concreta, seguir as ideias apregoadas pelos Espíritos Verdadeiramente Superiores.

    Revista Espírita, janeiro de 1861.
    “Sabe-se que não há Espíritos de animais errantes no mundo invisível e que, consequentemente, não pode haver aparições de animais, salvo o caso em que um Espírito fizesse surgir uma aparência desse gênero, com um objetivo determinado, o que não passaria, sempre, de uma aparência, e não o Espírito real de tal ou qual animal. ”

    Grato
    Edson Rocha

Deixe uma resposta