Estudo sobre Possessão

Estudo sobre Possessão

 

POSSESSOS

Sobre a possessão respondem os Espíritos à Allan Kardec:

Que “O Espírito não entra num corpo como entras numa casa; ele se assimila a um Espírito encarnado que tem os seus mesmos defeitos e as suas mesmas qualidades, para agir conjuntamente; mas é sempre o Espírito encarnado que age como quer sobre a matéria de que está revestido. Um Espírito não pode substituir-se ao que se acha encarnado, porque o Espírito e o corpo estão ligados até o tempo marcado para o termo da existência material.”

No caso de haver uma coabitação de dois Espíritos no mesmo corpo, uma alma pode encontrar-se na dependência de um outro Espírito, de maneira a se ver por ele subjugada ou obsedada, ao ponto de ter a sua vontade, de alguma forma, paralisada, e são esses os verdadeiros possessos, mas essa dominação não se efetua jamais sem a participação daquele que sofre, seja por fraqueza, seja pelo seu desejo. Frequentemente se têm tomado por possessos criaturas epilépticas ou loucas, que mais necessitavam de médico do que de exorcismo.

Em O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXIII, Kardec assim se expressou em relação a uma possessão: “não existem possessos, não há sentido vulgar fazer termo, mas apenas obsedados, subjugados e fascinados”. 

Na Revista Espirita de outubro de 1858, Allan Kardec escreveu sobre a possessão: “Para nós, em uma possessão seria um sinônimo de subjugação. Se não adotamos esse termo, foi por dois motivos: primeiro, porque implicações de uma crença em seres criados e votados perpetuamente ao mal, enquanto apenas existem seres mais ou menos imperfeitos e todos podem melhorar; segundo, porque pressupõe igualmente a ideia de tomada de posse do corpo por um Espírito estranho, uma espécie de coabitação, quando só há constrangimento.” 

  Mas não demoraria muito tempo, foi, também, na Revista Espirita de dezembro de 1863, Um Caso de possessão (Senhorita Julia), quando narrou o caso da sonâmbula Sra. A, que de repente mudou de voz tomando atitudes absolutamente masculinas,  isso fez com que Kardec muda-se de opinião em relação a possessão, levando-o, logo no primeiro parágrafo desse artigo a escrever de maneira contundente o seguinte: 

“Temos dito que não havia possessos, no sentido vulgar do vocábulo, mas subjugados. Voltamos a esta asserção absoluta, porque agora nos é demonstrado que pode haver verdadeira possessão, isto é, substituição, posto que parcial, de um Espírito errante a um encarnado.” 

  Vale lembrar o que diz o codificador da Doutrina Espírita no livro A Gênese conforme o Espiritismo, cap. I. item 14: “…o Espiritismo é uma Ciência de observação e não o produto da imaginação.” E ainda nesse mesmo capítulo no item 55: “O Espiritismo, marchando com o progresso, não será nunca extravasado, porque, se novas descobertas lhe demonstrarem que está em erro sobre um ponto ele se reformulará sobre este ponto; se uma nova verdade se revela, ela a aceita.”

  Sendo assim, agora podemos continuar observando a descrição que faz sobre o caso da Revista Espírita tratado acima: Apoderando-se do corpo da sra. A…, não tinha qualquer intenção má; assim aquela senhora nada sofria com a situação, a que se prestava de boa vontade. É bom dizer que ela não o havia conhecido e não podia saber de suas maneiras. É ainda de notar que os assistentes nele não pensavam, a cena não foi provocada e ele veio espontaneamente. 

Efetue Login para Deixar de Ver os Anúncios!

  Aqui a possessão é evidente e ressalta ainda melhor dos detalhes, que seria longo enumerar. Mas é uma possessão inocente e sem inconvenientes.” (O grifo é nosso.) 

  A partir daí, o codificador, passa a incluir a possessão nos processos mediúnicos (no caso dos bons Espíritos) e de curas (no caso dos Espíritos inferiores ainda voltados ao mal): “Não vendo senão o efeito, e não remontando à causa, eis por que todos os obsedados, subjugados e possessos passam por loucos desta natureza e que seriam facilmente curados se não obstinassem a neles ver apenas uma doença orgânica.” (O grifo é nosso.) 

  Nesse mesmo artigo Kardec relata um outro exemplo observado pessoalmente por ele e que foi objeto de um estudo sério na Sociedade Espírita de Paris. Foi o caso da senhorita Julia, uma doméstica nascida na Savole, com vinte e três anos de idade, que a seis meses vinha tendo crises de um caráter estranho e que ocorriam sempre no estado sonambúlico. Lutava com um espírito que acaba sempre vencendo e que o denominava de Fredegunda: “Toma! toma! é bastante, infame Fredegunda? Queres me sufocar, mas não o conseguirás; queres meter-te em minha caixa, mas eu te expulsarei.” Neste caso de possessão, porque se percebeu ter chegado o momento necessário de lidar com o Espírito possessor, Fredegunda, através da evocação. Evocada, em princípio, com ideia fixa de reencarnar-se, repeliu a solidariedade que lhe foi oferecida, recuou ante o nome de Deus, por isso, teve dificuldade de elevar o pensamento e orar, mas no intervalo das evocações em que foi chamada por vários dias pelos que estavam encarregados de a instruir, houve um fato positivo, é que conforme o Espírito Fredegunda foi sendo orientado, a Senhorita Julia, consequentemente, foi deixando de ser molestada até que a possessão cessou por completo.

  Em se tratando da possessão escreve Kardec no livro A Gênese: “Na possessão, em lugar de agir exteriormente, o Espírito livre se substitui, por assim dizer, ao Espírito encarnado; faz eleição de domicílio em seu corpo sem que, contudo este o deixe definitivamente, o que não pode ter lugar senão com a morte. A possessão é, pois, sempre temporária e intermitente porque um Espírito desencarnado não pode tomar definitivamente o lugar e dignidade de um Espírito encarnado, …”. 

  Mostrando a diferença entre obsessão e possessão ele escreve in A Gênese: “A obsessão é sempre uma ocorrência de um Espírito malfeitor. A possessão pode ser a atuação de um bom Espírito que quer falar e, para causar maior impressão em seu ouvinte, toma emprestado o corpo de um encarnado que este lhe empresta voluntariamente como se emprestasse sua veste. Isso se faz sem nenhuma perturbação nem mal estar, e durante este tempo o Espírito se encontra em liberdade como no estado de emancipação, e, mais frequentemente ele se coloca ao lado de seu reintegrante para escutá-lo.” Em continuação diz ele: Quando o Espírito possessor é mau, as coisas se passam diferentemente; ele não toma emprestado o corpo; ele se apodera, se o titular não possuir uma força moral para lhe resistir.” 

  Concluindo este estudo deixamos aqui estas palavras de Kardec: “O Espiritismo, fazendo conhecer esta fonte de uma parte das misérias humanas, indica o meio de remediá-las; este meio é o de atuar sobre o autor do mal que, sendo um ser inteligente, deve ser tratado com inteligência.” 

Estudos Fundamentais

Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo
O LIVRO DOS ESPÍRITOSFILOSOFIA ESPIRITUALISTAAllan Kardec LIVRO SEGUNDOMUNDO ESPÍRITA OU DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO IXINTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS NO MUNDO CORPÓREO III POSSESSOS 473. Pode um Espírito, momentaneamente, revestir-se do invólucro de uma pessoa viva, quer dizer, introduzir-se num corpo animado e agir em substituição ao Espírito que nele se encontra encarnado?-- O Espírito não entra num corpo como entras numa casa; ele se assimila a um Espírito encarnado que tem os seus mesmos defeitos e as suas mesmas qualidades, para agir conjuntamente; mas é sempre o Espírito encarnado que age como quer sobre a matéria de que está revestido. Um Espírito não pode substituir-se ao que se acha encarnado, porque o Espírito e o corpo estão ligados até o tempo marcado para o termo da existência material. 474. Se não há possessão propriamente dita, quer dizer, coabitação de dois Espíritos no mesmo corpo, a alma pode encontrar-se na dependência de um outro Espírito, de maneira a se ver por ele subjugada ou obsedada, ao ponto de ser a sua vontade, de alguma forma, paralisada?-- Sim, e são esses os verdadeiros possessos; mas fica sabendo que essa dominação não se efetua jamais sem a participação daquele que sofre, seja por fraqueza, seja ...
Leia Mais
Obsedados e Subjugados
REVISTA ESPÍRITAJORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOSPUBLICADA SOB A DIREÇÃO DEALLAN KARDEC ANO 1 - OUTUBRO 1858 - Nº. 10 OBSEDADOS E SUBJUGADOS Muito se tem falado dos perigos do Espiritismo. Entretanto, é de notar-se que aqueles que mais gritaram são precisamente os que só o conhecem de nome. Já refutamos os principais argumentos que lhe opuseram, de tal forma que a eles não mais retornaremos; acrescentaremos somente que, se quiséssemos proscrever da sociedade tudo quanto possa oferecer perigo e dar margem a abuso, não saberíamos ao certo o que haveria de restar, mesmo em relação às coisas de primeira necessidade, a começar pelo fogo, causa de tantas desgraças; as estradas de ferro, em seguida, etc., etc. Se admitirmos que as vantagens compensam os inconvenientes, o mesmo raciocínio se aplica a tudo o mais: assim o indica a experiência, à medida que tomamos certas precauções para nos subtrairmos aos perigos que não podemos evitar. Realmente, o Espiritismo representa um perigo real; de modo algum, porém, aquele que se supõe: é preciso que se seja iniciado nos princípios da ciência para bem compreendê-lo. Não nos dirigimos absolutamente àqueles que lhe são estranhos, mas aos próprios adeptos, aos que o praticam, visto ser para eles que o ...
Leia Mais
Caracteres da Revelação Espírita
A GÊNESECONFORME O ESPIRITISMOALLAN KARDEC Tradução e comentários de Carlos de Brito Imbassahy conforme o original da 3ª. edição de 1868. CARACTERES DA REVELAÇÃO ESPÍRITA  1. – Pode-se considerar o Espiritismo como uma revelação? Neste caso, qual é seu caráter? Sobre o quê está fundada sua autenticidade? A quem e de que maneira ela foi feita? A doutrina espírita é ela uma revelação no sentido litúrgico da palavra, ou seja, é ela de todos os pontos o produto de um ensino oculto vindo do Alto? É ela absoluta ou susceptível de modificações? Em anunciando aos homens a verdade de fato, a revelação não teria ela por efeito de os impedir de fazer uso de suas faculdades desde que lhe pouparia o trabalho da pesquisa? Qual pode ser a autoridade do ensinamento dos espíritos, se eles não são infalíveis e superiores à humanidade? Qual é a utilidade da moral que eles pregam, se esta moral não é outra senão a do Cristo que se conhece? Quais são as verdades novas que eles nos trazem? O homem, tem ele necessidade de uma revelação e não pode encontrar em si mesmo e em sua consciência tudo o que lhe seja necessário para se ...
Leia Mais
Um Caso de Possessão
REVISTA ESPÍRITAJORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOSPUBLICADA SOB A DIREÇÃO DEALLAN KARDEC ANO 6 - DEZEMBRO - Nº. 12ANO 7 - JANEIRO - Nº. 1 UM CASO DE POSSESSÃO SENHORITA JÚLIA PARTE 1Dezembro de 1863: Temos dito que não havia possessos, no sentido vulgar do vocábulo, mas subjugados. Voltamos a esta asserção absoluta, porque agora nos é demonstrado que pode haver verdadeira possessão, isto é, substituição, posto que parcial, de um Espírito errante a um encarnado. Eis um primeiro fato, que o prova, e apresenta o fenômeno em toda a sua simplicidade. Várias pessoas se achavam um dia em casa de uma senhora médium-sonâmbulo. De repente esta tomou atitudes absolutamente masculinas. A voz mudou e, dirigindo-se a um assistente, exclamou: “Ah! meu caro amigo, como estou contente de te ver!” Surpresos, perguntam o que isto significa. A senhora continua: “Como! meu caro não me reconheces? Ah! é verdade; estou coberto de lama! Sou Charles Z...” A este nome, os assistentes se lembraram de um senhor, morto meses antes, de uma apoplexia, à beira de uma estrada. Tinha caído num fosso, de onde o haviam retirado, coberto de lama. Declarou, que querendo conversar com o seu velho amigo, aproveitava o momento em que ...
Leia Mais
Natureza e propriedade dos fluidos
A GÊNESECONFORME O ESPIRITISMOALLAN KARDEC Tradução e comentários de Carlos de Brito Imbassahy conforme o original da 3ª. edição de 1868. OS FLUIDOSNatureza e propriedade dos fluidos Explicação de alguns fatos reputados como sobrenaturais NATUREZA E PROPRIEDADE DOS FLUIDOS 1. – A Ciência deu a chave dos milagres que competem mais particularmente ao elemento material, quer explicando-os, quer demonstrando-lhe a impossibilidade, pelas leis que regem a matéria; mas os fenômenos nos quais o elemento espiritual tenha uma parte preponderante não podendo ser explicado somente pelas leis da matéria, escapam às investigações da Ciência: é porque eles têm, mais do que os outros, os caracteres aparentes do maravilhoso. É, pois, nas leis que regem a vida espiritual que se pode encontrar a chave dos milagres desta categoria.  2. – O fluido cósmico universal é, tal como ficou demonstrado, a matéria elementar primitiva (b) da qual as transformações constituem a inumerável variedade de corpos da natureza. No que respeita ao princípio elementar universal, ela apresenta dois estados distintos: o de eletrização ou de imponderabilidade que se pode considerar como o estado primitivo, e o de materialização ou de ponderabilidade que vem a ser, de alguma forma, sua consequência. O ponto intermediário é o de ...
Leia Mais

2 thoughts on “Estudo sobre Possessão

Deixe uma resposta