Minhas Observações do Espiritismo

Minhas Observações do Espiritismo

  Nasci em uma família católica por parte de mãe e protestante por parte de pai. Até os nove anos, fiz parte da igreja dos Padres, onde fui batizado, crismado e fiz a primeira comunhão. Depois disso, minha mãe converteu-se na Congregação Cristã no Brasil. fui músico e Toquei trompete na orquestra, com 12 anos, fiquei até os quinze, frequentando esta igreja. No momento toda família é desta igreja, inclusive meu único filho, casado e com filho.
  Frequentando a igreja eu tinha uma curiosidade natural, da idade, em formular perguntas sobre assuntos, que eram lidos na bíblia durante o culto. Sempre colocava a mesma pergunta de forma particular para vários irmãos, quase sempre, obtinha respostas diferentes e isso fez com que eu começasse a procurar através de pesquisas (sempre difíceis na época) e usando o raciocínio, a melhor conclusão possível no momento.
  E aí começou a minha caminhada, através de livros emprestados, nem sempre aceitos pelos meus pais que não tinham o hábito de ler. Aos quinze anos, um amigo vendo o meu interesse em livros, ajudou-me no aprendizado de escolher livros e se interessar por assuntos diversos, que no futuro, eu iria escolher o melhor caminho. Nunca gostei de literatura que não fosse de pesquisa, seja o assunto que for, transitei por história, mitologia, arqueologia, astronomia, óvnis, politica, sociedades secretas, religiões e ciências diversas. Estudava todos estes assuntos ao mesmo tempo.
  Com o passar dos anos, fui selecionando melhor o que lia, acompanhando alguns autores ou pesquisadores que tinham respaldo em suas áreas e assim, fui chegando perto do Espiritismo. É claro, que já o conhecia de forma simples e sabia que deveria estuda-lo profundamente, deixando para os anos noventa com 30 anos (hoje tenho 51), para aprofundar-me de forma integral.
  Com o conhecimento da bíblia, na ótica evangélica e as origens e teologias das diversas religiões do planeta, senti facilidades em compreender o Espiritismo, codificado por Allan Kardec. Participei de todos os cursos disponíveis na FEESP (faltou o de Expositor) em 12 anos, e a partir de 2005 parti para o estudo independente, sem deixar a federação, pois, usava sua biblioteca como apoio aos meus estudos.
  Assistia regularmente palestras aos domingos, quando o assunto interessava, gravando fita cassete, através do departamento de divulgação, ouvi mais de mil palestras, sobre vários assuntos e guardei aproximadamente 160 fitas das mais interessantes, que ao longo destes últimos anos, foram doadas á diversos Irmãos de Doutrina ou para pessoas interessadas nos assuntos. Na biblioteca da FEESP emprestei centenas de livros, alguns foram relidos várias vezes, todos relacionados ao conhecimento do Espiritismo nos seus aspectos religioso, científico e filosófico.
  Consegui formar uma pequena biblioteca com os mais importantes e indispensáveis livros sobre Espiritismo, aproximadamente 100 livros. Colecionei algumas revistas, “Religiões” e “Universo Espírita”, e centenas de livros espíritas no computador, usando-os para leitura e consultas. Hoje tenho dezenas de Irmãos que recebem e-mails enviados por mim, sobre qualquer assunto relacionado ao Espiritismo.
  Estudando e reestudando toda a doutrina Espírita e com o passar do tempo, fui verificando que havia diferentes conceitos doutrinários no Brasil e isso foi ficando claro para mim, quando aprofundei os estudos sobre vários temas, dentro das obras da codificação e desta forma fui desenvolvendo alguns conceitos, que são aceitos por alguns estudiosos, mas não pela maioria dos Espíritas e centros espalhados por aí.
  Os pontos em questão são vários, pretendo expor apenas alguns, para efeito de constatação das diferenças entre o que se diz na maioria dos cursos e o que descobrimos com estudos avançados, baseados principalmente nas obras de Kardec e as revistas espírita escrita por ele e obras de apoio, dos seguintes pesquisadores; Léon Denis, Ernesto Bozzano, Gabriel Delanne, Albert de Rochas, Canuto de Abreu, Arthur Conan Doyle, Caibar Schutel, Carlos Torre Pastorinho, Carlos Imbassahy (pai), Deolindo Amorim, Jose Herculano Pires (principalmente), etc.
  E os pesquisadores científicos; Willian Crookes (físico), Gustave Geley (médico), Alexander Aksakov (físico), Carlos Brito Imbassahy (filho) (físico), Charles Richet (médico), Hernani Guimarães de Andrade, etc.
  O que constatei nestes últimos anos é a falta de estudos por parte dos espíritas de uma forma geral. Das pessoas que começaram comigo na FEESP. Ninguém continuou estudado de forma sistemática o espiritismo, ou seja, ler e estudar todos os livros da codificação (os 29 livros disponíveis hoje), utilizar obras complementares para a compressão da doutrina em seus aspectos religioso, filosófico e científico. Infelizmente o que vemos é a maioria se concentrar em romances mediúnicos, nem sempre corretos em suas afirmações doutrinárias, contradizendo Allan Kardec. Não intencionalmente e sim por puro desconhecimento de suas obras.
  Dito isto, poderíamos afirmar que hoje no movimento espírita brasileiro há uma insolência, de alguns espíritas, que se acham com o completo conhecimento da doutrina, apenas lendo um ou dois livros de Kardec e obras mediúnicas de André Luiz e Emamnuel e sai dizendo que é um expert, distribuindo disparidades inconcebíveis sobre esta obra maravilhosa que é o Consolador prometido por Jesus.
  A FEESP tem aproximadamente 1200 obreiros, atendendo 6000 pessoas por dia, com diversos cursos e com milhares de alunos. Os cursos de ciência e de filosofia espírita foram desativados por falta de alunos interessados, uma lástima! Para ter uma ideia, num dos cursos de filosofia, que participei em 2003, numa sala foi perguntado quem leu todos os livros básicos da codificação? Menos da metade da sala disse sim, perguntado quem leu todas as revistas espíritas escritas por Allan Kardec, uma ou duas pessoas! Isto mostra que mesmo numa casa espírita como a FEESP, que têm disponíveis aos frequentadores, milhares de livros correlacionados com o espiritismo, não há qualquer responsabilidade dos que se dizem espíritas em seguir os conselhos dos espíritos superiores, na obra de Kardec “irmãos amai-vos e instruir-vos”. Isso sem falar dos médiuns, que têm por hábito deixar para os espíritos comunicantes a função de repassarem conhecimentos, em muitas vezes errados. São comuns os médiuns não se darem ao trabalho de estudar com afinco a doutrina em sua base e ficam apenas nas obras mediúnicas sem os conhecimentos básicos e importantes da doutrina.
  Infelizmente temos irmãos, que não prejudicam mais a doutrina por serem calados, pois os que falam sem conhecimentos trazem mais prejuízo ainda. A nossa doutrina, não pratica o proselitismo, porém, devemos estar prontos para uma eventual abordagem religiosa, filosófica e científica da doutrina e para isso há grande necessidade de estudos sistemáticos sobre estes três aspectos do Espiritismo.
  Infelizmente no Brasil há uma acomodação geral entre os centros espíritas, em que o lado religioso é desenvolvido e os aspectos filosófico e científico são ignorados de forma que; toda a doutrina é dogmatizada e distorcida em seu objetivo primário; que é dar aos homens as ferramentas corretas, para uma compreensão universal do mundo espiritual, respondendo as grandes indagações da humanidade, ou seja, de onde eu vim, o que estou fazendo aqui e para onde eu vou!
  Dito isto, neste ensaio, pretendo dar algumas contribuições, para que os irmãos possam avaliar algumas distorções ensinadas nos centros e algumas descobertas feitas por mim e outros estudiosos da doutrina, passando pela história e eventos de nossa doutrina no Brasil e no mundo, sendo apenas alguns tópicos que serão comentados, é claro que há necessidade de pesquisas, e nós temos o santo Google que poderá ser consultado a qualquer momento, a maioria dos assuntos está disponível e com referências bibliográficas na internet, não havendo necessidade de escrever todos os textos bibliográficos neste trabalho o que ficaria extenso.
  Hoje no Brasil, o desenvolvimento mediúnico está bem estabelecido, é a tônica de todos os centros Espíritas espalhados em nosso território nacional, quase sempre, ocorrem de um centro ter o seu começo em função de um médium e aos poucos vai se formando um núcleo, que, sendo bem administrado irá crescer em atividades sociais. Isso é maravilhoso, mas, é pouco, em se tratando do Espiritismo codificado por Kardec, que teve a grande capacidade de trazer a todos, uma doutrina que envolve não somente a mediunidade e sim todo um estudo voltado, principalmente ao filosófico e científico, ao ponto de deixar claro e sem sombra de dúvidas que; “Seria fazer uma ideia bem falsa do Espiritismo, acreditar que sua força decorre da prática das manifestações espirituais (…).” Sua força está na sua filosofia, no apelo que faz à razão e ao bom-senso”. E como dizia José Herculano Pires “O desenvolvimento real da doutrina espírita, se dá fundamentalmente em termos de pesquisa científica e de reflexão filosófica, e não apenas mediante revelações espirituais”, ou seja, devemos estudar sua filosofia e desenvolver o conhecimento científico para podemos compreender a Doutrina Espírita como um todo.
  Percebemos que não é isso que acontece, geralmente encontramos pessoas que vão ao centro apenas para receber passes e ter algumas orientações simples, não promovendo o verdadeiro estudo da doutrina. É um absurdo o que se vende de livros de romances mediúnicos, de valor duvidoso, onde há prejuízo para o Espiritismo, pois, vai confundindo o iniciante com inverdades aceitas, apenas por que um médium assim o diz.
  Por não haver um estudo sistemático, há algumas incoerências como; aceitar contradição de espíritos que dão orientações e informações de outros planetas, que vão aterrissar suas naves em determinado dia no centro, apresentam água fluidificada que curam doenças difíceis, mandam construir aparelhos ridículos para usar no centro, etc. isso é apenas algumas, mas, há aquelas mais sutis, em que o médium recebe informações privilegiadas, sobre algum acontecimento do futuro e se põem a colocar os outros em situação vexatória quando o previsto não acontece.
  Depois de estudar a bibliografia de alguns médiuns que atuaram na doutrina Espírita, podemos afirmar mesmo na época de Kardec os Espíritos que o auxiliaram na codificação, cometeram vários equívocos e se não fosse o trabalho incansável do codificador, nossa doutrina estaria perdida com tantos deslizes.
  Agora fica a pergunta, se erraram tanto em questões simples, como podem dizer algo sobre o planeta em que diz viver! O que dizer dos aspectos mais profundos? Como exemplos:
  No livro Catecismo Espírita, Léon Denis, capítulo VI
  “Pergunta: Todos os planetas têm Lua”?
  R: Nem todos; porém, Urano tem quatro luas ou satélites; Saturno oito, além de dois imensos anéis que o circundam; e Júpiter, quatro. Esse mundo colossal, Júpiter, não está, como a Terra, sujeito às vicissitudes das estações nem às bruscas alternativas da temperatura: “é favorecido com uma primavera constante”.
  Como podem perceber, está tudo errado! URANO TÊM 27 LUAS – SATURNO TÊM 50 – JÚPITER TÊM 63. Uma vez eu disse para uma dirigente de um centro espírita sobre isso, ela teve a coragem de dizer que nestes anos poderia ter sido criado estas luas, que para Deus nada é impossível! Tamanha ingenuidade! E ignorância!
  Pergunta; Como pode a Terra ser comparada com esses planetas?
  Urano é 74 vezes maior que a Terra (NA REALIDADE É 4), Netuno mais 100 vezes (NA REALIDADE 17), Saturno 864 (e Júpiter 1.300). Portanto, a Terra é um dos menores planetas do sistema solar. (NA REALIDADE O PLANETA TERRA É MAIOR DO QUE OS PLANETAS MERCURIO, VENUS, MARTE E PLUTÃO).
  Em Gen, cap VI, 25 se encontra uma declaração escabrosa sobre a Lua, feita pelo espírito de Galileu, através da mediunidade de Camille Flammarion: ele disse que a nossa lua era ovoide e com sua parte mais larga voltada para a terra.
  O que é certo: As viagens espaciais comprovaram que a face oculta da Lua não se difere em natureza da que fica voltada para nós, sendo igualmente inóspita. A aparente imobilidade da Lua se deve ao fato de sua órbita ser síncrona: rotação em torno do eixo e translações em volta da Terra tem a mesma duração (28 dias)
  Ainda o espírito “Galileu”, no mesmo capítulo de Gênese, é a afirmação de que Marte não possui satélites. Em 1877, foram descobertas as duas luas marcianas (Phobos e Deimos), menos de uma década após a morte de Kardec.
  Até o comandante Armoud teve seus problemas com espírito brincalhão, quando editou o livro sobre Júpiter, o espírito dizia que morava lá e que estava com a missão de ajudar o planeta terra em sua evolução. Em uma das entrevistas foi perguntado, quantas luas tinha o planeta Júpiter? Que ele vivia! Respondeu 12 luas! O livro terminou em abril de 1979 e em outubro foi descoberto a 13ª lua! Por astrônomo terrestre! Ou seja, este espírito tinha os conhecimentos astronômicos de um estudante de ginásio.
  Como podem ver, parecem que os espíritos que se dizem conhecer outros planetas do nosso sistema solar, nunca saíram da TERRA e tudo não passa de um fiasco mediúnico. E têm alguns espíritos que se dizem de outras galáxias!
  Glória ao Allan Kardec! Que teve o bom senso de filtrar alguns absurdos, que os espíritos lhe diziam e que está registrado nas Revistas Espírita e não foram colocadas nos livros básicos da codificação. Apenas uma pequena parte foi, porém, com várias anotações e ponderações do codificador, que tinha o devido cuidado de não crer em tudo o que os espíritos diziam e isso deveria ser o que todos os médiuns de hoje deveriam fazer!
  Outro fator de preocupação é com a mediunidade psicográfica, onde um médium de renome recebe uma mensagem e todos aceitam sem a devida análise, não tomando o salutar conselho de Kardec, de que, quando não há concordância com outras mensagens de outros médiuns, deve-se aguardar e analisar para somente depois ser publicada, sendo melhor perder 99 verdades do que aceitar uma mentira!
  Um livro sobre os celtas escrito por Léon Denis diz que as mensagens (diversas) foram enviadas por Allan Kardec, lendo-as percebe-se que é uma falsidade, não há qualquer similitude com a forma de expressar e está numa linguagem pobre. Não se pode admitir que um Espírito da envergadura de Kardec, depois de morrer, ficou ignorante em matéria de lógica em expressão.
  Outro exemplo de mistificação foi a mensagem de Emmanuel através de Chico Xavier sobre Ramatis, na Revista Boa Vontade, Ano 1, n0 4 – Outubro de 1956 nela Emmanuel se desdobra em elogios ao espírito Ramatis e sua obra, além do mais, coadunam com os absurdos que podem ser comprovados, hoje em 2010. Nada do que ele falou teve qualquer fundamento, além de Emmanuel endossar ensinamentos da teosófica Madame Blavatsky, com raças e sub-raças, ignorando que hoje, com os conhecimentos dos genes e consequentemente o estudo do DNA e o seu mapeamento completo, pode-se dizer que não há raças e sim uma única raça humana e temos todas as evidências de onde começou a humanidade e como foi evoluindo no globo terrestre.
  Existe uma mensagem atribuída Allan Kardec, o pseudo-Kardec, no livro “Diário dos Invisíveis”, de Zilda Gama, cataloga os citados fenômenos em defesa da teoria roustainguista do Jesus “que não veio em carne’.“ A FEB alardeia a conversão do ‘Kardec-Espírito à tese roustainguista, nesta altamente suspeita mensagem recebida por Zilda Gama: é o que se lê em ‘Elos Doutrinários’, de Ismael Gomes Braga, porta-voz da diretoria da Federação Espírita Brasileira. Até hoje a FEB ensina em suas aulas e edita os livros deste J. Roustaing um inimigo do ESPIRITISMO E DE KARDEC.
  Nem os médiuns e nem os Espíritos foram considerados por Allan Kardec como seres infalíveis. Tanto uns como os outros são dotados de conhecimentos relativos, condicionados sempre à condição evolutiva individual de suas vivências culturais, sociais e históricas.
  Diante de tudo isso, podemos afirmar categoricamente; o melhor para o Espírita consciente é ficar com Allan Kardec, sempre! Em minha opinião os únicos que tiveram pouquíssimas falhas e trabalharam dentro da lógica, foi ALLAN KARDEC & JOSÉ HERCULANO PIRES. Creio que se quisermos conhecer o Espiritismo em toda sua importância e lógica, só precisamos destes dois.
  Vamos entrar em algumas polêmicas que para mim não é! Polemicas há quando não estamos familiarizados com alguns estudos, o que não podemos sendo falta de respeito, para com os outros, dar opiniões sem bases e argumentos lógicos.
  O Retorno de Kardec. Em Obras Póstumas, 10 de Junho de 1860, em sua casa, com a médium Sra. Schmidt. Quem responde é o Espírito Verdade. (Coloco na integra o texto).
  Pergunta. (A Verdade). Acabo de receber uma carta de Marselha, na qual se me diz que, num seminário dessa cidade, se ocupou seriamente do estudo do Espiritismo e de O Livro dos Espíritos. O que é preciso disso augurar? É que o clero tomou a coisa com interesse?
  Resp. – Não podes de isso duvidar: ele toma as coisas muito a sério, porque nelas prevê as consequências para ele, e as suas apreensões são grandes. O clero, sobretudo a parte esclarecida do clero, estuda o Espiritismo mais do que não o crês: mas não pensa que seja por simpatia; ao contrário, nisso procura os meios para combatê-lo, e assegura-te que lhe fará uma rude guerra. Não te inquietes com isso; continue a agir com prudência e circunspecção; tenha-te em guarda contra as armadilhas que te serão estendidas; evita cuidadosamente, em tuas palavras e em teus escritos, tudo o que poderia fornecer armas contra ti. Prossegui o caminho sem medo, e se ele está semeado de espinhos, asseguro-te que terás grandes satisfações antes de retornares “por um pouco” entre nós.
  Pergunta. – Que entendeis por essas palavras “por um pouco”?
  Resposta. – Não ficará muito tempo entre nós; é necessário que retornes para terminar a tua missão, que não pode ser rematada nesta existência. Se isso fosse possível, não te partiria daí de modo algum, mas é preciso suportar a lei da Natureza. Estarás ausente durante alguns anos e, quando voltares, isso será em condições que te permitirão trabalhar cedo. No entanto, há trabalhos que é útil que termines antes de partir; é porque te deixaremos o tempo necessário para acabá-los.
  Nota. – Supondo aproximadamente a duração dos trabalhos que me restam a fazer, e tendo em conta o tempo de minha ausência e os anos da infância e da juventude, até a idade que um homem pode desempenhar um papel no mundo, isso nos leva, forçosamente, ao fim deste século ou ao começo do outro.
  Vejamos; quem disse isso ao Kardec foi o seu Espírito protetor da missão que ele desempenhou e ninguém melhor do que este Espírito para dar esta noticia. Muitos Kardecs foram aparecendo ao longo de um século para ser o encarnado, dentre eles estava o Chico Xavier que nunca disse isso e sabemos que ele não poderia nunca ter sido Allan Kardec, somente um médium desequilibrado como Carlos Baccelli poderia afirma e escrever um livro com este absurdo. E se autodenominar substituto de Chico Xavier ao ponto de escrever livros (segundo ele) recebidos pelo Espírito de Chico Xavier. Basta ler qualquer um dos dois livros: O Espírito de Chico Xavier – Chico Xavier Responde de Carlos Baccelli
  Sabemos que Allan Kardec não foi um médium ostensivo, no máximo intuitivo, ele foi mais evoluído do que Emmanuel, pois, no tempo de Emmanuel encarnado no Brasil como Manoel da Nóbrega, John Huss já tinha sido morto em 1469, queimado pela inquisição mostrando a força de seu caráter intransigente com sua consciência, lógica e ética.
  O Espirito Verdade não poderia se enganar e ter errado na previsão do retorno de Allan Kardec! E isso não aconteceu! Pois, em 25 de Setembro de 1914, em Avaré, nascia Allan Kardec, com o nome de JOSÉ HERCULANO PIRES! Trazendo-nos não mais o lado religioso da doutrina que estava sedimentado e sim, o desenvolvimento da filosofia Espírita em toda sua grandeza. E foi o único que viveu exclusivamente para defender o que era sua Obra! Desde os 21 anos! E morreu com a mesma idade de Kardec 65 anos.
  Muitos Irmãos, com certeza, não conhecem a biografia de Herculano Pires, leiam o livro “Herculano Pires O Apostolo de Kardec” de Jorge Rizzini, seu companheiro de 30 anos. Leiam também as dezenas de livros que com certeza, darão razão a esta afirmação.
  Poderá alguns Irmãos dizer que em 1926, Allan Kardec enviou várias mensagens para Léon Denis (14 no total e está no livro “O Gênio Celta”) quem tiver paciência em ler todas, verão que não podem ser de Kardec! Quem escreveu era algum falso Kardec que tinha conhecimento da teosofia da Madame Blavatsky, são tantos textos prolixos que fico abismado, como Léon Denis não percebeu o embuste. Outros médiuns disseram que receberam mensagens de Allan Kardec, porém, apenas uma! A que ele enviou dias depois de desencarnar na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, fundada por ele, pode ser aceito, pelo texto coerente com sua História enquanto encarnado.
  Um exemplo de mensagem atribuída à Kardec, que afronta a inteligência de todos os Espíritas estudiosos e é adotada pela FEB até hoje! Esse Kardec se mostra arrependido de coisas que escreveu e dá guarida ao roustanguismo, absurdo da autointitulada casa mater do espiritismo no Brasil.
  “No livro” “Diário dos Invisíveis”, publicado pela Livraria Editora ‘O Pensamento’, de S. Paulo, há uma longa mensagem de ‘Kardec, psicografada pela médium Zilda Gama, intitulada ‘O Corpo de Jesus’, defendendo a tese roustainguista febeana de que Jesus se apresentou na Terra apenas com seu corpo fluídico, destituído de carne própria do corpo humano, enfim, um agênere. “O que de imediato chama a atenção do leitor familiarizado com os livros de Kardec é que, nessa mensagem, o pseudo-Kardec se contradiz em tudo o que Kardec-homem escreveu sobre esse assunto”. Os fenômenos ocorridos com Jesus (…) explicados por Kardec em “A Gênese”, o pseudo-Kardec, no livro “Diário dos Invisíveis”, de Zilda Gama, cataloga os citados fenômenos em defesa da teoria roustainguista do Jesus ‘que não veio em carne’. “A FEB alardeia a conversão do ‘Kardec-Espírito à tese roustainguista, nesta altamente suspeita mensagem recebida por Zilda Gama: é o que se lê em ‘Elos Doutrinários’, de Ismael Gomes Braga, porta-voz da diretoria da Federação Espírita Brasileira”. “Por que a FEB não se interessou em conseguir os direitos autorais para publicação desse livro, se ela já editou outros livros da referida médium”? Por certo teria autorização da Editora, porque de há muito a edição já se esgotou. O motivo do desinteresse da FEB pela publicação desse livro se explica: inobstante ‘Kardec’ fazer a apologia do ‘corpo fluídico’ de Jesus, os adeptos de Roustaing se decepcionam com a mensagem, porque ‘Kardec’ põe por terra outra teoria roustainguista de que Jesus evoluiu em ‘linha reta’, isto é, que nunca pecou, e, portanto, nunca se submeteu à encarnação humana. Confira-se: ‘Jesus dizia-se filho dos homens porque não ignorava a pluralidade das existências; sabia que não era um ser excepcional, um predestinado para o sofrimento ou para a glória, criado impecável, mas que havia sido, como todas as criaturas humanas, sujeito ao erro e à fraqueza, tinha tido diversas encarnações, em diferentes planetas, em eras remotas, as muitas moradas de seu Pai, padecido árduas provas, até que, liberto de todas as jaças de caráter, acendrado pela dor, adquiriu méritos extraordinários”.
  “O pseudo–Kardec se estende em afirmativas inverídicas quanto ao Kardec-homem, a exemplo do que se segue: “– Quando tracei, em minha última existência, as páginas que constituem alguns dos livros por mim organizados, vacilei sobre se deveria, ou não, julgar o Rabi um ser humano ou uma entidade supra terrena”.
  “Kardec-homem, no seu livro ‘A Gênese’, cap. XV, foi incisivo ao analisar a natureza corporal de Jesus, e concluiu, firmemente, que Jesus teve um corpo carnal idêntico ao de todo ser humano. Logo, em afirmando que Kardec vacilou no julgamento da natureza humana ou supra terrena de Jesus, o pseudo-Kardec–Espírito aumenta o rastro de sua farsa”.
  Como podem perceber a federação espírita brasileira sempre foi prejudicial ao Espiritismo e isso é fácil perceber, para ter uma ideia, as Revistas Espíritas só foram traduzidas e editadas no Brasil em 1960. Isso depois que Júlio Abreu com ajuda de Herculano Pires estava traduzindo elas. Infelizmente o catolicismo tomou conta de nossa Doutrina e tornou-se o que é hoje.
  Outro fator de discórdia entre expositores espíritas é o fato de não compreenderem que Jesus não é o Espírito Verdade, em definitivo. Para isso leiam o livro “O Espírito e o Tempo” de Herculano Pires para compreenderem. Existem outros livros que afirmam que é, porém, é comum a repetição de que Jesus é somente por ouvir falar e não como resultado de estudos!
  Abaixo está um comentário entre o Espírito Verdade e Allan Kardec em seu primeiro encontro.
  “No dia 25 de março de 1856 estava Allan Kardec em seu gabinete de trabalho, em via de compulsar as comunicações e preparar O Livro dos Espíritos, quando ouviu ressoarem pancadas repetidas no tabique; procurou, sem descobrir, a causa disso, e em seguida tornou a pôr mãos à obra. Sua mulher, entrando cerca das dez horas, ouviu os mesmos ruídos; procuraram, mas sem resultado, de onde podiam eles provir. Moravam, então, à Rua dos Mártires n° 8, no segundo andar, ao fundo”.
  No dia seguinte, sendo dia de sessões em casa do Sr. Baudim, escreve Allan Kardec, contei o fato e pedi a explicação dele.
  Pergunta: – Ouvistes o fato que acabo de narrar; podereis dizer-me a causa dessas pancadas que se fizeram ouvir com tanta insistência?
  Resposta: – Era o teu Espírito familiar.
  P. – Com que fim, vinha ele bater assim?
  R. – Queria comunicar-se contigo.
  P. – Poderei dizer-me o que queria ele?
  R. – Podes perguntar a ele mesmo, porque está aqui.
  P. – Meu Espírito familiar, quem quer que sejais, agradece-vos terdes vindo visitar-me. Quereis ter a bondade de dizer-me quem sois?
  R. – Para ti chamar-me-ei a Verdade, e todos os meses, durante um quarto de hora, estarei aqui, à tua disposição.
  P. – Ontem, quando batestes, enquanto eu trabalhava, tínheis alguma coisa de particular a dizer-me?
  R. – O que eu tinha a dizer-te era sobre o trabalho que fazias; o que escrevias me desagradava e eu queria fazer-te parar.
NOTA – O que eu escrevia era precisamente relativo aos estudos que fazia sobre os Espíritos e suas manifestações.
  P. – A vossa desaprovação versava sobre o capítulo que eu escrevia, ou sobre o conjunto do trabalho?
  R. – Sobre o capítulo de ontem: faço-te juiz dele. Torna a lê-lo esta noite; reconhecer-lhe-ás os erros e os corrigirás.
  P. – Eu mesmo não estava muito satisfeito com esse capítulo e o refiz hoje. Está melhor?
  R. – Está melhor, mas não muito bom. Lê da terceira à trigésima linha e reconhecerás um grave erro.
  P. – Rasguei o que tinha feito ontem.
  R. – Não importa. Essa inutilização não impede que subsista o erro. Relê e verás.
  P. – O nome de Verdade que tomais é uma alusão à verdade que procuro?
  R. – Talvez, ou, pelo menos, é um guia que te há de auxiliar e proteger.
  P. – Posso evocar-vos em minha casa?
  R. – Sim, para que eu te assista pelo pensamento; mas, quanto a respostas escritas em tua casa, não será tão cedo que as poderás obter.
  P. – Podereis vir mais frequentemente que todos os meses?
  R. – Sim; mas não prometo senão uma vez por mês, até nova ordem.
  P. – Animastes alguma personagem conhecida na Terra?
  R. – “Disse-te que para ti eu era a Verdade, o que da tua parte devia importar discrição; não saberás mais que isto.”.
  De volta a casa, Allan Kardec apressou-se a reler o que escrevera e pôde verificar o grave erro que, com efeito, havia cometido. A dilação de um mês, fixada para cada comunicação do Espírito Verdade, raramente foi observada. Ele se manifestou frequentemente a Allan Kardec, mas não em sua casa, onde durante cerca de um ano não pôde este receber nenhuma comunicação por médium algum e, cada vez que ele esperava obter alguma coisa, era obstado por uma causa qualquer e imprevista, que a isso se vinha opor.
  Meus Irmãos como podem ver não há qualquer dúvida que Jesus não foi o Espírito Verdade! Vejamos; o Espírito Familiar de Kardec era o Espirito Verdade! Quando Allan Kardec faz a pergunta – Podereis vir mais frequentemente que todos os meses? A resposta do Espirito Verdade respondeu – Sim; mas não prometo senão uma vez por mês, até nova ordem.
  Ou seja, até Jesus dar nova ordem este Espirito Verdade não poderia ir mais do que um quarto de hora por mês! Acho que ficou claro! Não?
  Em Prolegômenos (L.E. pg 50): “Este livro é o repositório de seus ensinos (dos Espíritos). Foi escrito por ordem e mediante o ditado dos Espíritos superiores (…): mas todos os que tiverem em vista o grande princípio de Jesus se confundirão num só sentimento o do amor, do bem (…)” “São João Evangelista, Santo Agostinho, São Vicente de Paulo, São Luís, O Espírito da Verdade (o grifo é nosso), Sócrates, Platão, Fénelon, Franklin, etc., etc.” Seria o mesmo que dizer: “Sigam os princípios de Jesus! (assinado) Jesus.”.
  Das Obras Básicas participam, com comunicações, mais de cinquenta Espíritos com mais de cem mensagens. O Espírito de S. Luís colabora com dezesseis; o de Espírito Santo Agostinho, com onze; o Espírito Protetor com oito e assim por diante; o Espírito de Verdade com oito mensagens, usando as denominações: Espírito da Verdade, Espírito-Verdade ou na grande maioria das vezes, Espírito de Verdade.
  Em “A Gênese” – Anunciação do Consolador, podemos destacar:
  Pg. 385, n º 35: (…) “Mas o Consolador, que é o Espírito Santo, que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e fará que vos lembreis de tudo o que vos tenho dito”. (S. João, cap. XIV, vv. 15 a 17 e 26. – O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. VI). (os grifos são nossos)
  “O Espírito Santo é a falange dos Emissários da Previdência que superintende os grandes movimentos da Humanidade na Terra e no Plano Espiritual.” (Francisco Cândido Xavier, Valdo Vieira: O Espírito da Verdade; p/ vários Espíritos; FEB, 8 ª Ed..).
  Pg. 386, nº 37: “Sob o nome de Consolador e de Espírito de Verdade, Jesus anunciou a vinda daquele que havia de ensinar todas as coisas e de lembrar o que ele dissera. (…) prevê não só que ficaria esquecido, como também que seria desvirtuado o que por ele fora dito, visto que o Espírito de Verdade viria tudo lembrar e, de combinação com Elias, restabelecer todas as coisas, isto é, pô-las de acordo com o verdadeiro pensamento de seus ensinos.”.
  Pg. 387, n º 38 e 39; ““… Indício seguro de que o Enviado ainda não aparecera.
  Qual deverá ser esse enviado? Dizendo: “Pedirei a meu Pai e ele vos enviará outro Consolador”, Jesus claramente indica que esse Consolador não seria ele, pois, do contrário diria: “Voltarei a completar o que vos tenho ensinado.” Não só tal não disse como acrescentou: A fim de que fique eternamente convosco e ele estará em vos. Esta proposição não poderia referir-se a uma individualidade encarnada (…) O Consolador é pois segundo o pensamento de Jesus, a personificação de uma doutrina soberanamente consoladora, cujo inspirador há de ser o Espírito de Verdade.
  As palavras, “Jesus claramente indica que esse Consolador não seria ele”, são de Allan Kardec, são do codificador.
  Pg 387; n º 40: “O Espiritismo realiza, como ficou demonstrado (cap. I, n º 30), todas as condições do Consolador que Jesus prometeu. Não é uma doutrina individual, nem de concepção humana; ninguém pode dizer-se seu criador. É fruto do ensino coletivo dos Espíritos, ensino a que preside o Espírito de Verdade. Nada suprime do Evangelho: antes a completa e elucida.” (grifo nosso).
  Herculano Pires: O que o Espiritismo busca é a verdade cristã, cumprindo na Terra a promessa de Jesus, que através de Kardec, e seu guia Espiritual, o Espírito superior que deu a Kardec, quando este perguntou quem era, esta resposta simples: “Para você eu sou A Verdade.” (José Herculano Pires; O Centro Espírita.). Distingue ele, pois, Jesus, Kardec e o seu Espírito protetor, o Espírito de Verdade.
  Em “Preces Espíritas” (“O Clarim”; abril-95), Caibar Schutel assim se expressa: “(…) influi para que os mensageiros de Deus e com especialidade a plêiade de Espíritos que constituem o Espírito de Verdade, o Espírito Consolador ( grifos nossos ), oriente-nos no Caminho do Bem (…)”
  Por outro lado, Jesus é o Governador do Planeta e têm a sua disposição plêiades de Espíritos com competência para dar a ajuda à Kardec. Digo mais! Há outro agravante, que nós não podemos deixar de lado. O Espirito Verdade tinha a função de coordenar toda a codificação (rever todos os livros e autorizar sua publicação no tempo certo), e deu apoio até o desencarne de Kardec. Porém, quando revisou o primeiro “Livro dos Espíritos”, com 501 perguntas, não fez o serviço direito, deixou passar alguns erro grosseiros, para citar apenas um.
  Perguntado para os Espíritos quando começa a vida?
  — Em que momento a alma se une ao corpo?
  No nascimento.
  — Antes do nascimento a criança tem uma alma?
  Não.
  — Como vive então?
  Como as plantas.
  86 — A alma ou espírito se une ao corpo no momento em que a criança vê a luz e respira. Antes do nascimento a criança só tem vida orgânica sem alma. Ela vive como as plantas, tendo apenas o instinto cego de conservação, comum em todos os seres vivos.
  Na segunda edição do livro com 1019 perguntas, foi refeita a resposta, agora mais lógica.
  Pergunta 344 – Em que momento a alma se une ao corpo?
  “A união começa na concepção, mas só é completa por ocasião do nascimento. Desde o instante da concepção, o Espírito designado para habitar certo corpo a este se liga por um laço fluídico, que cada vez mais se vai apertando até ao instante em que a criança vê a luz. O grito, que o recém-nascido solta, anuncia que ela se conta no número dos vivos e dos servos de Deus.”
  345. É definitiva a união do Espírito com o corpo desde o momento da concepção?
  Durante esta primeira fase, poderia o Espírito renunciar a habitar o corpo que lhe está destinado?
  “É definitiva a união, no sentido de que outro Espírito não poderia substituir o que está designado para aquele corpo. Mas, como os laços que ao corpo o prendem são ainda muito fracos, facilmente se rompem e pode romper-se por vontade do Espírito, se este recua diante da prova que escolheu. Em tal caso, porém, a criança não vinga.”
  Como podem ver! Não podemos dizer que o Espírito Verdade com os seu auxiliares responsável de corrigir os escritos de Allan Kardec antes de serem editados, seja JESUS! Definitivamente, JESUS não foi o Espirito Verdade. O que aconteceu, foi JESUS dar ao Espírito Verdade a incumbência, já apregoada há dezoito séculos para preparar o caminho do Consolador que é o Espiritismo codificado por Allan Kardec. E por curiosidade, esta missão estava programada aqui na Terra, para exatamente 21 anos, nem um dia a mais, nem um dia a menos. Ou seja, Abriram-se os céus e toda a Terra recebeu as comunicações e benefícios dos Espíritos que tiveram autorização de comunicarem em todos os lares em abundância.
  O Espírito Verdade tinha exatamente este tempo. O começo foi o dia 31 de Março de 1848 com a família Fox. (isso é de conformidade com a História do Espiritismo e não há contestações) e o último dia foi 31 de Março de 1869, com a morte do Glorioso Allan Kardec ás 14h00min.
  O Espiritismo estava pronto! O que houve, depois disso, foi o desenvolvimento das ideias contidas em todos os escritos deixados, inclusive as Revistas Espíritas, tão desconhecidas pelos Espíritas.
  Vou ficando por aqui, em outra oportunidade escreverei mais. Se alguém tiver algo contra o que está escrito, que possam ajudar-me com suas observações e conhecimentos.

Muito Grato

Edson Rocha
04JAN2011

10 thoughts on “Minhas Observações do Espiritismo

  1. Comentário de Fátima Falci Ferreira em 4 janeiro 2011 às 18:21

    Que coragem a sua, colega!
    São duras VERDADES o que você traz e concordo em quase tudo. Só não concordo em tudo, porque nem tudo o que foi dito tenho conhecimentos suficientes.
    Só fiquei passada com Leon Denis, pois o tinha em melhor conceito, tanto que estou lendo o livro O problema do ser, do destino e da dor de sua autoria.
    Acredito que a maior e melhor fonte de estudo são os livros de Kardec e a revista espírita, o que for contrário a eles, perdem a credibilidade.

    Abraços,
    Fátima

    1. Comentário de Edson Rocha em 4 janeiro 2011 às 18:44

      Irmã Fatima, realmente tem razão. Leon Denis teve algumas contradições com a Doutrina, à questão das almas gêmeas, que ele dizia existir e é frontalmente contra a Codificação. Juntamente com Gabriel Delanne, disse que todas as experiências, lembranças são registradas no períspirito, contrariando com a ideia de que quando o Espírito sai do planeta, deixa o seu períspirito e forma outro no planeta que vai tomando os elementos que ali estão para formas novo perispírito.
      O livro que está lendo é muito bom e toda obra de Leon Denis é indispensável, porém, devemos tomar o cuidado com todas as afirmativas, seja dele ou de qualquer escritor e assim vamos formando não pensamentos novos e sim pensamentos repensados e lógicos com uma visão holística dos acontecimentos e experiências que neste século e meio de doutrina, nos apresenta.

      Grato
      Edson Rocha

  2. Comentário de Luís Marcilio Bastos Leite em 4 janeiro 2011 às 18:59

    Fiquei maravilhado com o artigo, além do mais me deu mais vontade de estudar e pesquisar sobre a doutrina espírita, assim como o autor deste belíssimo artigo foi criado em família evangélica, eu fui formado no seio de uma família dogmática e muitas vezes sectária, extremamente católica ao ponto de mandar para o seminário onde passei 4 anos, estudando filosofia e teologia, descobri a doutrina espírita lá mesmo no seminário e hoje me realizo na leitura de livros espíritas ajudando a mim mesmo e a outras pessoas no caminho do bem. Agora vou fazer questão de ler as 29 obras e pesquisar profundamente a doutrina…. Obrigado por ter me aberto os olhos, eu estava acomodado!

  3. Comentário de Carmita Muniz Damasceno em 4 janeiro 2011 às 19:50

    Adorei!
    Precisamos de pessoas com este grau de inteligência para nos elucidar.
    Tenho tantas dúvidas…
    Adoro ler, e fui levada ao espiritismo pela dor. Não que eu estivesse sofrendo fisicamente, mas sim, espiritualmente.
    Estou lendo as obras de André Luís.
    Mas sempre que procuro saber algo mais não tenho respostas e/ou são desencontradas.
    Já li o Pentateuco e gostaria que alguém me dissesse quais (mais) livros devo ler para ter uma boa base quanto ao Espiritismo.
    Espero que você volte a nos esclarecer sobre os erros e acertos dos livros ou dos médiuns que dizem receber este ou aquele Espírito “Superior”.
    Obrigada por tão belo exemplo de dedicação e estudos.
    Gostaria de revê-lo com mais elucidações.
    Obrigada.

    1. Comentário de Edson Rocha em 4 janeiro 2011 às 20:19

      Irmã Carmita Damasceno, o que há é pessoas com mais tempo para ler em algum momento de suas vidas, apenas isso! Quanto aos estudos eu diria que o ideal seria ler e estudar todos os livros e revistas de Allan Kardec, isso como extremamente necessário. Depois, ler livros de estudiosos que escrevem sem utilizar de Espíritos guias dinâmicos e sim embasados em estudos profundos. Diria principalmente José Herculano Pires, pelo fato dele ter estudado a Doutrina Espírita de forma completa e ter dado elucidações e defendido à Codificação como um verdadeiro Espírita ao ponto de ser chamado “O Metro que melhor mediu Kardec”, palavras de Emmanuel.
      Com o tempo a Irmã vai observando melhor o que lê e saberá com ajuda de sua intuição separar o joio do trigo, e como há!

      Grato
      Edson Rocha

  4. Comentário de Paulo Jorge Pereira Martins em 4 janeiro 2011 às 20:33

    Estudar será sempre importante, nascemos e morreremos todos ignorantes, a terra ainda é um planeta só de meias-verdades e muitos véus por isso estudar será o fio condutor durante milénios e milénios para todos nós por vários e diferentes mundos, mas pôr em prática a lei da caridade será sempre o pilar primeiro, só a seguir a isso tudo o resto virá. Já trabalhei e conheci diversas casas espíritas e espiritualistas bem diferentes, com um leque de acervos e práticas bem diferentes, mas em todas aprendi uma coisa: o estudo é o caminho, mas só a caridade e utilidade ao próximo será a chegada.
    Um bom texto de reflexão, mas para ser sincero já houve tempos em que me preocupei mais com isso e procurei colecionar o máximo de acervos e palestras possíveis, hoje desisti um pouco dessa rota e apenas tento me corrigir aos poucos e sentir-me mais útil para o mundo a cada dia, o conhecimento virá aos poucos no seguimento disso. Quanto mais contato com a espiritualidade mais me apercebo que eles não ligam muito às palavras e por vezes até preferem vestir roupagens humildes e com aparência leiga (pretos velhos por exemplo) de modo a dar exemplo de pureza e humildade.
    Isto tudo para salientar apenas que a prática dos ensinamentos dos grandes Mestres (Jesus, Buda, S. Francisco de Assis…etc.) são o pilar mais importante, mas o estudo será sempre uma forma que nos guiará na boa direção, nisso concordo de forma bem firme.

  5. Comentário de Humberto Santos Guimarães em 4 janeiro 2011 às 23:36

    Muito bom o artigo. Esclarecedor a tal ponto de me alertar para alguns pontos ainda obscuros sobre o espiritismo. Sobretudo, me estimular a ler mais sobre Allan Kardec e Herculano Pires.

    Obrigado!

  6. Comentário de Marie Amália Nigol da Silva em 5 janeiro 2011 às 16:35

    Maravilhoso este artigo, o que disse sobre nossos irmãos espíritas é muito verdadeiro, poucos se interessam para estudar, procuram o centro para reuniões mediúnicas, passes, e alguma atividade social, mas quando há um dia para estudo das obras de Kardec, quase não há frequência. Gosto muito destes artigos, tenho muitas dúvidas esclarecidas, principalmente neste artigo de hoje vou procurar ler as obras de Jose Herculano Pires. Obrigado por tantos esclarecimentos.

  7. Comentário de Wilma Vinhas em 5 janeiro 2011 às 18:08

    Parabéns Édson você é um pesquisador estudioso e bastante crítico. Gostei do artigo, tem muito conteúdo para si pensar. Precisamos de pessoas como você que põe os pingos nos is. Mas, já imaginou se no mundo fossemos todos como você. Seu artigo não seria tão importante como é. Vou estudar com mais atenção. O ser humano ainda é muito infantil, inconsequente, por isso fomos advertidos. Em tudo acho que vale um pouco de flexibilidade, cada um tem ponto de vista. Espiritismo é estudo, mas também é leveza, é vida, é sentimento, alma, amor.

  8. Comentário de Edson Rocha em 6 janeiro 2011 às 7:56

    “Kardec Online” é um fórum criado justamente para dirimir todas as dúvidas que os Irmãos tenham, assim que postadas. Isso faz com que nós aprendemos com pontos de vistas diferentes em se tratando do mesmo assunto. isso é a mola mestre deste excelente canal de divulgação do Espiritismo, Codificado por Allan Kardec.

    Grato
    Edson Rocha

Deixe uma resposta